PARTILHAR

SAIBA MAIS SOBRE


O blogue que faz da prevenção e da inspiração o seu dia a dia.

Cancro da mama: a importância da deteção precoce

Dia 30 de outubro assinala o “Dia Nacional da Prevenção do Cancro da Mama”. Este dia representa também o culminar de um mês de iniciativas de consciencialização para a prevenção e diagnóstico precoce do cancro da mama, conhecidas como “Movimento Outubro Rosa”. 

Na verdade, este tipo de iniciativas é bem necessário. Conforme nos alerta a Liga Portuguesa Contra o Cancro, em Portugal são detetados, por ano, cerca de 7000 novos casos de cancro da mama e 1800 óbitos de mulheres devidos a esta doença. 

Cancro da mama - homem 

Embora mais prevalente nas mulheres, esta doença não é exclusiva do sexo feminino. Em Portugal, 1% dos cancros da mama são diagnosticados em homens. Porém, tal como nas mulheres, nos homens a incidência deste cancro tem vindo a aumentar nas últimas décadas. Portanto, não deve ser descurado. Neste artigo, também olharemos para esta realidade. 

Ao longo do artigo, focaremos nos principais fatores de risco do cancro da mama na mulher e no homem, nos sintomas e nos meios de prevenção à disposição. 

 

Principais fatores de risco do cancro da mama


Apesar de não ser conhecida uma causa específica para o cancro da mama, há alguns fatores de risco que parecem estar associados ao aparecimento desta doença. Eis os principais:  

  • Idade: quanto mais avançada for a idade da mulher, maior será o risco de desenvolver este cancro; 
  • Histórico familiar: o risco é maior se, no histórico familiar, houver casos de cancro da mama; 
  • Fatores hormonais: nomeadamente, história menstrual longa – primeira menstruação em idade precoce, menopausa tardia ou nuliparidade (mulheres que não tiveram filhos) –, idade tardia da primeira gravidez, terapia hormonal de substituição (THS);
  • Radioterapia no peito: devido à exposição a radiações ionizantes, por exemplo durante tratamentos de radioterapia; 
  • Densidade da mama: as mulheres mais velhas que apresentam tecido denso (não gordo) numa mamografia (raio-X da mama), têm mais risco de desenvolver cancro da mama; 
  • Obesidade e inatividade física: as mulheres que são obesas, sobretudo após a menopausa, apresentam um risco aumentado de desenvolver cancro da mama.   

Cancro da mama - homem: fatores de risco

  • Envelhecimento –  é um importante fator de risco nos homens, tal como nas mulheres; 
  • Condições genéticas – como as mutações genéticas hereditárias (nomeadamente nos genes BRCA 1 e BRCA2) e a síndrome de Klinefelter (homens com um cromossoma X a mais); 
  • Histórico familiar de cancro da mama; 
  • Anormalidades testiculares – como a orquite e a criptorquidia; 
  • Níveis elevados de estrogénio – devidos a condições/doenças genéticas, como a já citada síndrome de Klinefelter, ou a tratamentos de doenças, como por exemplo, da cirrose; 
  • Exposição a radiação ionizante; 
  • Ingestão excessiva de álcool; 
  • Obesidade.  
 

Seguro de Saúde Generali Tranquilidade

Mesmo que o seu seguro não seja Tranquilidade, pode complementá-lo com a opção extra focada nos quatro pilares do doente oncológico: prevenção, deteção precoce, tratamento e qualidade de vida.
Rapariga sorridente a atirar uma maçã verde ao ar com o braço direito

Principais sintomas do cancro da mama


Na sua fase inicial, o cancro da mama não causa dor, mas se a sentir ou observar qualquer alteração, consulte o seu médico. Esteja atenta aos seguintes sintomas:  

  • Nódulo ou espessamento da mama ou na zona da axila, que detete ao toque; 
  • Alterações no tamanho ou formato da mama; 
  • Dor na mama; 
  • Alterações na mama ou mamilo, visíveis ou ao toque; 
  • Sensibilidade no mamilo; 
  • Secreção ou perda de líquido do mamilo; 
  • Retração do mamilo; 
  • Pele da mama, mamilo ou aréola gretada ou descamativa, vermelhidão ou inchaço. 

Cancro da mama - homem: sintomas

  • Nódulo(s) na mama; 
  • Alterações no aspeto do mamilo; 
  • Úlceras mamárias; 
  • Alterações no tamanho, forma ou pele da mama; 
  • Descarga mamilar; 
  • Erupção cutânea na zona do mamilo e mama.  


O facto de ter um ou mais destes sintomas não significa que tenha cancro da mama. Contudo, no caso de os detetar, nunca deixe de consultar o seu médico. 

Prevenção precoce é a atitude mais importante

Junte a opção EXTRA a qualquer seguro

Na oncologia, o tempo é saúde. Tão importante como o tempo de diagnóstico, é ter uma proteção no tempo certo.
Duas mulheres abraçadas, um delas com um lenço na cabeça por ter o cabelo curto devido ao cancro.

Mesmo antes do aparecimento de sintomas, é possível detetar o cancro da mama através de exames de diagnóstico radiológicos. Quanto mais cedo isso acontecer, maiores as probabilidades de cura e de evitar tratamentos dolorosos e traumatizantes. Eis o que deve fazer:  

  • Autoexame da mama. Deve ser feito de forma regular, para que se habitue a ver e sentir o seu corpo e a reconhecer alguma alteração. Saiba como deve fazer o autoexame
  • Exame clínico da mama. Feito pelo médico, em consultas regulares (com a frequência aconselhada pelo médico, ou se surgir algum sintoma); 
  • Mamografia anual ou bianual, sobretudo depois da menopausa; 
  • Aderir aos programas nacionais de rastreio. Realizados desde 1986 pela Liga Portuguesa Contra o Cancro, consistem em exames simples e gratuitos para as mulheres entre os 50 e 69 anos. Veja onde se localizam as unidades de rastreio.  

Cancro da mama - homem: prevenção 

Por não existirem programas de rastreio para homens, este tipo de cancro pode ser detetado mais tarde. Consequentemente, as taxas de mortalidade são maiores. Os homens, a quem apareça algum sintoma ou com fatores de risco, devem estar atentos e recorrer ao médico em caso de sinal de alarme. 

Se diagnosticado e tratado prematuramente, a taxa de cura do cancro da mama é superior a 90%. Não hesite, porque a deteção precoce está nas suas mãos. 

A proteção reforçada do nosso Seguro de Saúde, através da parceria estabelecida entre a Tranquilidade e a Fundação Champalimaud, dá-lhe acesso ao Programa Onco-risco. Este programa disponibiliza um serviço de avaliação de risco e diagnóstico precoce de cancro, tendo em particular consideração as características de cada pessoa: género, idade, estilo de vida, historial clínico e risco genético. O programa estabelece assim um plano de ação de seguimento, baseado nos seus fatores de risco. 

Proteja a sua saúde e a qualidade do seu futuro. 

Cada pessoa tem o seu contexto individual. Por isso, deve sempre aconselhar-se junto do seu médico e garantir que segue as informações mais adequadas ao seu contexto, às suas necessidades e especificidades enquanto indivíduo. 

Toda e qualquer situação de esclarecimentos relativamente às temáticas presentes neste artigo deverão ser solicitadas junto das entidades competentes ou de profissionais especializados. Na preparação deste documento foram feitos todos os esforços para poder oferecer informação correta e clara. A Generali Seguros, S.A. não é responsável pelo resultado de quaisquer atos ou ações decididas ou tomadas unicamente com base na informação deste documento. A Generali Seguros, S.A. encoraja o cliente a consultar profissionais de saúde, no sentido de obter o aconselhamento individual devido.  

Fontes: 
Liga Portuguesa Contra o Cancro.
Reis, A., Cancro da Mama no Homem. Covilhã: Universidade da Beira Interior; 2019.
Basser Center for BRCA.
Cancro Online
Raio-X – o seu jornal de saúde online.

SAIBA MAIS SOBRE


PARTILHAR

seguro vida mais protect

SEGURO VIDA MAIS PLANO PROTEÇÃO

Garanta um futuro protegido

Saber Mais
vidatranquila horizontal

SINTOMAS DO CANCRO QUE PODEM AJUDAR NO DIAGNÓSTICO

Saber Mais
seguro-de-vida-e-seguro-de-saude-as-diferencas-no-apoio-em-caso-de-cancro-2